quarta-feira, 14 de outubro de 2015

ENTÃO EU ASSISTI... "A COLINA ESCARLATE''

A Colina Escarlate

Lançamento: 15/10/2015
Diretor: Guillermo del Toro
Distribuidor Brasileiro: Universal Pictures Brasil
Nota

O novo filme do ilustre diretor Guillermo del Toro, A Colina Escarlate conta a história de Edith Cushing (Mia Wasikowska), uma jovem aspirante a escritora que conhece e se apaixona por Thomas Sharpe (Tom Hiddleston). Devido a uma série de acontecimentos, Edith acaba se casando com o misterioso Thomas e mudando-se para a sua mansão, na Inglaterra, onde ele mora com sua irmã Lucille (Jessica Chastain).
A casa tem uma história macabra, uma forte presença de seres de outro mundo e não demora a abalar a sanidade de Edith.



O que me deixou mais... Como é que eu posso descrever... atraído (essa é a palavra certa) pelo contexto do filme foi saber que se trata de  uma história original do próprio Guillermo del Toro (o que não me surpreendeu em nada já que os trabalhos que ele desenvolve são sempre muitos bons).



Se você viu o trailer vai pensar que é uma história só de terror (eu também pensei), e o começo do filme nos faz acreditar que a história só se trata de uma casa que está assombrada por fantasmas e todas as coisas assustadoras, e clichês,  dos filmes de terror. Porém, ao longo da trama, em especial  antes de chegar à Colina Escarlate, iremos descobrir que Thomas Sharpe é um homem sonhador em busca da realização do seu grande sonho (na verdade é isso mesmo, agora basta saber quais métodos ele irá usar para conseguir o que quer). 


O filme conta a história da jovem Edith Cushing que logo no início do filme se casa com Thomas, juntos eles vão morar na Inglaterra, para ser mais exato na mansão dos Sharpe que fica na Colina, e é aí que tudo começa a acontecer. Edith, que sempre teve uma sensibilidade ao sobrenatural, vê um ser sobrenatural lhe alertando a ir imediatamente embora daquele local (isso logo no primeiro dia na casa), a partir daí ela vai ser atormentada por mais assombrações exigindo que ela saia. Aos poucos ela vai definhando fisicamente, sem uma razão aparente,  e cada vez mais descobrindo os segredos obscuros por trás daquele lugar.
Achei super interessante todo o mistério por trás da casa e os segredos que a família Sharpe esconde. O final é surpreendente (realmente é de tirar o folego).
Chegando perto das cenas finais  se percebe que o foco do filme não é exatamente terror, e sim,  até onde o ser humano pode chegar em nome do amor. Esse sentimento pode transformar pessoas em verdadeiros monstros.



O visual de toda a estrutura do filme é o ponto em que mais teve destaque, os figurinos, a decoração, as mobilias e toda a ambientalização, principalmente da casa dos Sharpe, foi tudo muito bem elaborado. Os fantasmas também ganharam um grande destaque, você logo imaginaria uma coisa meio transparente (já que seriam fantasmas), mas não, eles são praticamente reais dentro do filme, o que o torna um pouco assustador (ok... muito assustador).
A trilha sonora de Fernando Velázquez se encaixou perfeitamente na trama. 
É isso aí, espero que tenham gostado e também espero que assistam o filme, tenho certeza que irão amar.

             
Back
to top