sábado, 26 de janeiro de 2013

[EU RECOMENDO], Agatha Christie.

Dame Agatha Mary Clarissa Christie, mundialmente conhecida como Agatha Christie, foi uma romancista policial britânica, autora de mais de oitenta livros.  Conhecida como "Duquesa da Morte", "Rainha do Crime", dentre outros títulos, criou os famosos personagens Hercule Poirot, Miss Marple, Tommy e Tuppence Beresford e Parker Pyne, entre outros. Agatha Christie escreveu também sobre o pseudônimo de Mary Westmacott. Agatha Mary Clarissa Miller nasceu em 15 de Setembro de 1890, na costa de Devon, na cidade de Torquay, sendo a terceira filha de um rico americano. Os seus livros venderam centenas de milhões de cópias em inglês, além de mais algumas centenas de milhões em línguas estrangeiras, totalizando mais de 4 bilhões.






Palavras da Leitora:


''Eu vim trazer a recomendação de umas das primeiras autoras que li, e com certeza, foi ela que fez com que eu me apaixonasse por livros.  
A autora é a Agatha Christie, e o primeiro livro dela que li foi O CASO DOS DEZ NEGRINHOS, que se não me engano hoje chama-se E NÃO SOBROU NENHUM. O melhor livro que li dela até hoje, apesar de já ter lido vários, o primeiro foi sempre o melhor.''


Recomendação feita pela Isis Silva.





Sinopse: 

A inglesa Agatha Christie é uma das autoras mais populares e famosas do mundo. Isto significa que seus títulos estão entre os mais conhecidos. Mas ninguém, no Brasil, poderia se lembrar deste E não sobrou nenhum. Talvez tenha sido encontrado um inédito em algum baú escondido num sótão. Mas, se fosse isto, a mídia com certeza o teria noticiado. Talvez, então, alguém tenha psicografado uma nova história policial. Mas, neste caso, o nome do "médium" não deixaria de ser conhecido. Talvez Agatha Christie não tenha afinal morrido, mas apenas desaparecido, revolvendo agora, aos 118 anos, lançar seu 81º. romance de mistério. Ou, talvez, um de seus conhecidíssimos livros tenha se ocultado atrás de um novo título. O culpado não é o mordomo, mas um personagem ainda mais cheio de normas, conhecido pelo codinome de "o politicamente-correto". Pois foi ele que levou os agentes literários da grande dama inglesa a proporem a mudança de título de "O caso dos dez negrinhos" (Ten little niggers), o livro mais vendido de Agatha Christie em todo o mundo, e adaptado para o cinema por René Clair. A solução salomônica foi, então, destacar o novo título, retirado de uma canção folclórica inglesa, e avisar na capa que o livro é uma nova versão daquele que foi consagrado pelo público brasileiro: "E não sobrou nenhum" - Anteriormente publicado como "O caso dos dez negrinhos". "E não sobrou nenhum" é o maior clássico moderno das histórias de mistério. Dez pessoas diferentes recebem um mesmo convite para passar um fim de semana na remota Ilha do Soldado. Na primeira noite, após o jantar, elas ouvem uma voz acusando cada uma de um crime oculto cometido no passado. Mortes inexplicáveis e inescapáveis então se sucedem. E a cada convidado eliminado, também desaparece um dos soldadinhos que enfeitam a mesa de jantar. Quem poderia saber dos dez crimes distintos? Quem se arvoraria em seu juiz e carrasco? Como escapar da próxima execução? 


Outras Obras:





        
Back
to top