sexta-feira, 11 de maio de 2012

Resenha: O Guia do Mochileiro das Galáxias



Livro: O Guia do Mochileiro das Galáxias
Autor(a): Douglas Adams 
Editora: Sextante
Paginas: 208

Sinopse: Arthur Dent tem sua casa e seu planeta (sim, a Terra) destruídos em um mesmo dia, e parte pela galáxia com seu amigo Ford, que acaba de revelar que na verdade nasceu em um pequeno planeta perto de Betelgeuse.

Considerado um dos maiores clássicos da literatura de ficção científica, este livro vem encantando gerações de leitores ao redor do mundo com seu humor afiado. Este é o primeiro título da famosa série escrita por Douglas Adams, que conta as aventuras espaciais do inglês Arthur Dent e de seu amigo Ford Prefect. A dupla escapa da destruição da Terra pegando carona numa nave alienígena, graças aos conhecimentos de Prefect, um E.T. que vivia disfarçado de ator desempregado enquanto fazia pesquisa de campo para a nova edição do Guia do Mochileiro das Galáxias, o melhor guia de viagens interplanetário. Mestre da sátira, Douglas Adams cria personagens inesquecíveis e situações mirabolantes para debochar da burocracia, dos políticos, da "alta cultura" e de diversas instituições atuais. Seu livro, que trata em última instância da busca do sentido da vida, não só diverte como também faz pensar.




“Muito além, nos confins inexplorados da região mais brega da Borda Ocidental desta Galáxia, há um pequeno sol amarelo e esquecido. Girando em torno deste sol, a uma distância de cerca de 148 milhões de quilômetros, há um planetinha verde-azulado absolutamente insignificante, cujas formas de vida, descendentes de primatas, são tão extraordinariamente primitivas que ainda acham que relógios digitais é uma grande idéia. Muitas pessoas eram más, e a maioria delas era muito infeliz, mesmo as que tinham relógios digitais.” 

Resenha:

Crítico, engraçado, criativo e genial são as poucas palavras que uso para resumir esse livro. De uma forma bem interpretada e cheia de humor, Douglas Adams conta a história de Arthur Dent.

Em um dia aparentemente normal, Arthur vê sua casa diante de tratores que querem demoli-la para construir um desvio da via principal. E como esse detalhe já não bastasse, Ford Prefect, um amigo de Arthur, conta que é um ‘’E.T’’. Mas as coisas não param por ai, Ford também afirma que aqueles poucos minutos seriam os últimos da existência do planeta terra. E assim, Arthur se junta a Ford para uma fuga deste planeta condenado, não esquecendo de suas toalhas.

Em um universo surpreendente, a história continua. Depois de ter pego ‘’carona’’, eles acabaram parando na nave dos Vogons, uma das raças mais desagradáveis da Galáxia. Não chegam a ser malévolos, mas são mal-humorados, burocráticos, intrometidos e insensíveis. Conseguindo fugir desta raça, Arthur e Ford desta vez pegam carona na nave Coração de Ouro. A única nave que possui um gerador de improbabilidade infinita. E a bordo da mesma, encontram Marvin, o andróide paranóide que levam eles até  Zaphod Beeblebrox e Tricia McMillan. Logo descobrindo uma grande coincidência entre eles.

Reunidos, vivenciam diversos momentos na busca do conhecimento da vida, o universo e tudo mais.
É uma história que foge de qualquer padrão clássico ou dramático, e uma leitura obrigatória para todo nerd.

Recomendo! 

Saiba Mais:

Apesar de ter sido publicado em 1979, ele é muito atual. E mesmo passando-se mais de 100 anos a partir de hoje, ainda continuara assim. Com esse seu humor nerd gerações de fãs por todo o mundo, ou melhor, de todo o universo continuarão crescendo. 

O Dia da Toalha é celebrado no dia 25 de maio, em diversos países, e na internet é possível encontrar sites com fotos dos fãs que comemoraram a data. 

Fãs do autor queriam encontrar uma forma para para homenagear essa pessoa que fez todo o mundo rir com suas histórias. No dia dia 25 de maio de 2001, foi feita a primeira homenagem. Onde em seguida, pessoas pensaram sobre a possibilidade de mudar para 42 dias após o seu falecimento. Coisa que não aconteceu, e essa data continuou a mesma até hoje. 

O fãs neste dia carregam uma toalha consigo, seja amarrada no braço, como uma capa, um turbante, etc. Desde que estejam usando-a.

 
Hoje faz 11 anos que Douglas faleceu. Ele nasceu em 11 de março de 1952 e faleceu aos 49 anos, vítima de um ataque cardíaco.

O Guia dos Mochileiros é uma obra publicada pela editora arqueiro/sextante. Nossa editora parceira.


Resenha feita por: Claudio Silva




Back
to top